Prevenção das doenças crônicas – um investimento vital (OMS)

“Prevenção de doenças crônicas – um investimento vital”

Este é o título de um programa da OMS referido no livro “Prevenção de doenças do adulto na infância e na adolescência” Dr. João Guilherme Bezerra Alves e Dra. Magda Carneiro-Sampaio – Ed. Medbook RJ, 2007

Seguem alguns trechos deste livro que deveria ser referência para todos os que acreditam na possibilidade de mudar o cenário das doenças crônicas no país e no mundo, através da informação e da educação da população. É através da mulher, essencialmente, que a mudança pode ser feita. Mãe e cuidadora, a mulher surge no âmbito da prevenção como a figura capaz de implementar no núcleo familiar  as mudanças necessárias para a modificação da prevalência das doenças degenerativas crônicas entre nós.

Ela, mulher, ainda desconhece a sua importância na prevenção das doenças futuras de seus filhos e netos. Não foi informada da magnitude da responsabilidade da maternidade consciente. Ainda que ainda lidemos com urgencias básicas como  a gravidez na adolescência, precisamos ao mesmo tempo difundir a informação a respeito da capacidade de diminuir gradativamente a prevalência das doenças crônicas entre nós a partir do aconselhamento das gestantes de hoje e das mães de crianças e adolescentes. Informar para educar e conscientizar!

Os autores falam da necessidade da gestante prover adequada nutrição do feto, evitando o baixo peso ao nascer e a prematuridade fatores de risco importante para o desenvolvimento futuro (idade adulta) das doenças crônicas como o diabetes, a hipertensão, o infarto e o AVC.

Eles informam que                                      “… os sete dos maiores riscos à saúde (hipertensão arterial sistêmica, hipercolesterolemia,obesidade, sedentarismo, baixo consumo de frutas e legumes, alcoolismo e tabagismo)  são condições intimamente ligadas a escolhas de vida e correspondem a mais da metade do impacto mundial de doenças, medido na média em anos de vida com a doença”.

E ainda falam da necessidade da implementação de ações em áreas diferentes e complementares do nível primário de atenção à saúde. Sugerem utilização de recursos da comunidade, ONGs, implantação de programas de exercícios coletivos, reuniões de auto-ajuda e suporte para o cuidado para com a própria saúde.

Outros trechos:

“Os pacientes devem ser estimulados e educados para o auto-cuidado”

“A promoção de saúde permite que as pessoas adquiram maior controle sobre a sua própria qualidade de vida. Por meio da adoção de hábitos saudáveis, não só os indivíduos, mas também seus familiares e a comunidade se apoderam de um bem, um direito e um recurso aplicável à vida cotidiana.”

“Mudanças de maus hábitos à saúde já instaladas na vida adulta são objetivos difíceis de alcançar devido à fraca aderência da população-alvo”

“Esses hábitos devem ser adquiridos desde a infância”

“Além disso é na escola que os programas de educação e saúde podem ter a maior repercussão beneficiando os alunos desde a infância”

Mulheres: Busquem mais informação, peçam orientação a seus médicos, criem grupos de discussão na família e na comunidade! Assim estaremos dando um enorme passo à frente no controle das doenças crônicas e agregando qualidade de vida à longevidade de hoje.

Alzheimer, o que estamos deixando de ver?

 

Prevenção da doença de Alzheimer (DA):

 

-Aumento da atividade aeróbica

-Adoção de dieta mediterrânea

Estímulo das tarefas cognitivas

 

É assim, sem intervenção farmacológica, apenas com mudanças no estilo de vida que obtemos efeito protetor em relação à DA. Este é o protocolo a que indivíduos portadores do gen especifico para a DA são submetidos na intenção de retardar o aparecimento dos sintomas enquanto não surgem drogas capazes de reverter o processo já iniciado ou mesmo “vacinas” com fatores químicos de proteção  contra a doença.

Nesta família que vem sendo estudada há algum tempo, um menino com menos de 15 anos foi diagnosticado com DA clinicamente estabelecida. A gravidade dessa observação ainda não foi tratada como deveria, tanto pelos médicos quanto pela mídia cujo papel é esclarecer e informar a população. A comunidade científica tem a DA como uma de suas prioridades, mas qual o custo futuro da falta de organização da sociedade em relação à demência, se o tempo não conspirar a favor dos nossos cientistas? Todos temos um papel nas catástrofes que nos atingem. O meio ambiente nos lembra sempre as nossas faltas. As tragédias das enchentes (cada vez mais freqüentes aqui no Rio) são um exemplo. O aumento da resistência à insulina e o diabetes tipo 2 , além da obesidade tomam proporções trágicas também.  É difícil hoje que qualquer um de nós possa dizer que entre seus familiares diretos (avós, pais, tios ou irmãos) não exista sequer uma pessoa diagnosticada com diabetes tipo 2. E querem saber de uma novidade? Cogita-se no meio acadêmico que a resistência à insulina (cerebral) possa ser um dos gatilhos da doença que leva à demência. A hipótese levaria à identificação do diabetes tipo 3 (cerebral) que aceleraria o processo da perda da memória no Alzheimer, um dos sinais do declínio cognitivo característicos da doença.

Em relação à DA, segundo últimas análises estatísticas, os órgãos de saúde americanos trabalham com a expectativa de que em 2050 existirão  13.5 milhões de pessoas com diagnóstico de Alzheimer.

Conhecidos fatores de risco para a doença, hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia (alteração do metabolismo lipídico) e estresse crôni- co são fatores agravantes enquanto a prática contínua de atividade física (exercícios aeróbicos) aumentaria a reserva cerebral (oxigenação) atuando como fator importante de proteção em relação à demência.

*“Definimos uma estratégia preventiva como a ação que nos permite diminuir o aparecimento de uma determinada doença no nível da popula ção geral”.

*“Medidas de prevenção primária para evitar, numa população saudável, a exposição a determinadas situações que levariam ao aumento da prevalência da doença. Assim se reduziria a possibilidade de aparecimento desta determinada doença entre aqueles indivíduos. Existem também as medidas de prevenção secundária cujo objetivo é diagnosticá-la em estágios iniciais contribuindo para uma maior qualidade de vida desses individuos.”

Considerando que ainda não existe cura para Alzheimer, as campanhas informativas a nível da população geral poderiam auxiliar na diminuição da incidência da doença a médio e longo prazos, através de outro viés, orientando quanto às possíveis estratégias que poderiam retardar ou inibir o aparecimento da doença: educando sobre os fatores protetores em relação à DA.

*conceitos extraídos da série “Médico em casa”,Editora Plátamo (Lisboa)