O conhecimento médico a respeito de saúde

As “várias medicinas” podem se ajudar com estratégias complementares, não excludentes.

O conhecimento sobre saúde é muito mais amplo do que se admite e tem sido sub-utilizado pela Medicina Convencional.

Não sou contra o desenvolvimento científico. Obviamente, reconheço os benefícios da tecnologia e dos avanços em diagnóstico e tratamento dos dias atuais. Apenas penso que estamos voltados tão somente para um ângulo da questão. Se a ênfase fosse preventiva, se investíssemos mais na saúde e não na doença, a longevidade com certeza estaria acompanhada de mais qualidade de vida. Mas hoje o cenário ainda é outro.

Por que não implementar mais estratégias de promoção de saúde e de prevenção de doenças? Por que não conduzir mais pesquisas cruzando os dados epidemiológicos e estatísticos com os antropométricos e outras características familiares e individuais, hábitos alimentares e estilos de vida? Sem dúvida agregaria mais valor, mas penso que muito já se disse (e se diz) a respeito.

Um grande divisor de águas nesse sentido foi o trabalho do Dr. Dean Ornish cardiologista americano do Preventive Medicine Institute e da University of California, autor de vários livros que relacionam a mudança de estilo de vida à alteração da expressão genética, contrariando o que sempre se disse: “os genes são os principais determinantes da saúde e não são modificáveis”.  Ele ensina que “… intervenções simples, baratas e de baixa tecnologia…” mudam o seu estilo de vida e isso pode mudar seus genes, sim! Podemos nos antecipar à doença, evitá-la, modificar seu curso ou reverter prognósticos negativos. Já temos este conhecimento.

Falta bom senso, iniciativa popular e vontade política. É verdade que falta investimento maior em educação para a saúde, estimulando o interesse da população. Mas falta também interesse do médico e de outros profissionais da área de saúde. Eles deveriam ser os vetores da disseminação desta “nova” forma de entender a saúde e combater a doença.

Nós médicos ainda não percebemos que o caminho que temos percorrido é equivocado. Que a intervalos curtos, cada vez mais curtos, tudo fica obsoleto, mudamos conceitos, drogas e estratégias rápido demais para percebermos, mais tarde, que não  houve ganho importante. A abordagem continua errada.

Não devemos apenas continuar buscando drogas milagrosas para resolver as doenças, investindo para isso todo tempo e dinheiro. Deveríamos ser capazes de nos antecipar aos eventos, identificando possíveis causas e estratégias para fazer frente a eles. Ou pelo menos, como se faz em economia, dividir para multiplicar, ou seja, invéstir nessas várias frentes para resultados mais eficientes a longo prazo.

Cada caso é sempre um caso diferente. A experiência adquirida no exercício da profissão, num aprendizado contínuo, se traduz em assertividade cada vez maior em relação aos diagnósticos feitos. E a capacidade de discernimento de cada médico deve ajudá-lo a decidir em função dos sinais e sintomas e principalmente do organismo que está doente, levando em consideração as suscetibilidades individuais e, porque não, as crenças de cada um a respeito de saúde.

Hipócrates (e outros médicos antes dele) defendiam uma medicina voltada para a saúde, no sentido de ajudar o organismo na sua constante busca da homeostasia ou equilíbrio interno. Equilíbrio este que seria conseguido à custa de reajustes nos processos bioquímicos mantenedores do funcionamento ideal dos órgãos e sistemas do corpo humano. Nosso organismo está capacitado a retomar a normalidade funcional através desses ajustes diuturnamente levados a termo. Cabe à terapêutica médica auxiliar esse processo quando o corpo esgota as suas próprias possibilidades.

Lembro ainda que quando falo em agir conforme a medicina complementar não significa substituir a terapêutica convencional onde e quando ela não pode nem deve ser substituída. 

Quando você está gripado, toma apenas vitamina C, um descongestionante e vai pra cama? Ou toma também um chá quente (de preferência de equinácea ou similar, quando não existe contra-indicação para este fitoterápico), opta por não se alimentar com muito carboidrato simples (açúcar e doces que, além de você, os vírus também adoram!) e prefere sopas de legumes ou a canja da mamãe (hum… delicia!) além de fazer gargarejos com água morna, sal e limão ou romã?…

São estratégias complementares e não excludentes que podem acelerar o processo de cura, devolvendo mais rapidamente o bem estar ao doente. Então porque não usar?

E já que falei da equinácea (fitoterápico que estimula a imunidade), aproveito para lembrar que ela deve ser evitada em indivíduos portadores de doença auto-imune. Nestas pessoas, o fitoterápico pode induzir uma piora rápida da doença. E pensando bem, se a equinacea é capaz de acelerar a doença causada por excesso de imunidade (característica da doença auto-imune) como podemos negar suas propriedades imunoestimulantes? Porque ela ainda é desconhecida da maioria de nós, médicos ortodoxos?

Pensemos a respeito!

Médicos repensando a Medicina

Algumas opiniões há muito conhecidas:

“… no mundo atual tão doente, o grande desafio para um médico é tornar-se um “promotor de saúde da comunidade no sentido mais amplo. Para que os futuros médicos sejam melhor preparados para enfrentar os problemas atuais de saúde, há necessidade de mudanças profundas em nossas faculdades de medicina. Os médicos precisam aprender a trabalhar com a comunidade inteira, não apenas com indivíduos doentes. Precisam aprender a compartilhar seus conhecimentos, a desmistificar suas habilidades…” Dr. David Werner é diretor de HealthWrights, Workgroup for People’s Healths and Rights  e coordenador regional do Conselho Internacional de Saúde dos Povos para a América do Norte na Califórnia. Ele apresentou esta palestra em 1990, durante o 40º encontro anual da Associação Americana de Estudantes de Medicina, Arlington, VA, EUA.

Quanto mais jovem o médico, mais invasiva e reducionista é a sua visão da Medicina, menos ele vê o todo, ocupado que está em tratar a doença e não o doente! Mas a culpa não é dele. A construção do conhecimento é antes de tudo papel da Instituição de Ensino. E, quem ensina? O médico mais velho, mais experiente. Este com certeza já se questionou (ou foi questionado) a respeito da falência do modelo atual. Mas então porque apenas alguns de nós assumimos a necessidade de mudança? Se o próprio indivíduo leigo, já busca (ativamente) alternativas ao modelo oficial, por que continuamos a ignorar o movimento crescente em direção à humanização da medicina e contra o reducionismo cientifico?

A esse respeito já foi dito:

“… A maioria das faculdades de medicina do mundo prepara o médico não para a saúde da população, mas para se dedicar a um exercício da medicina que é cego para tudo que não seja a doença e a tecnologia para tratar dela…” Dr. Halfdan Mahler Ex-Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde, diretor do Primeiro hospital de ensi- no de medicina natural na Grã-Bretanha.

Mas,

“… A idéia de assumir a responsabilidade por sua própria saúde é tão estranha à maioria das pessoas que é assustador. Quão mais confortável é pôr nossas vidas nas mãos de outrem, como o médico…” disse o Dr. George Spaeth, médico oftalmologista do Wills Eye Hospital.

A Medicina da saúde está ao meu e ao seu alcance e a medicina da doença é do que nos ocupamos nós, os médicos.

“… doença é da responsabilidade do médico, dos cuidados da enfermagem, da organização hospitalar e da sociedade como um todo organizado, porém a saúde é responsabilidade de cada um de nós…”

             “… saber da tendência natural que o corpo tem à saúde e como é válido o princípio da homeostase, que significa equilíbrio e tendência natural à saúde…”

“… a humanidade está doente física ou emocionalmente porque está vivendo fora de seus padrões naturais, e estes doentes muitas vezes não têm conhecimento de seu estado de saúde, tornando-se dependentes de produtos químicos e farmacêuticos…”. Estas são três frases extraídas do livro de outro médico, Dr.Antonio Quintanilha:  “Coluna Vertebral: segredos e mistérios da dor”– AGE Editora, 2002

Com o avanço tecnológico e científico temos visto mudar celeremente os conceitos em muitas áreas do conhecimento humano. Na Economia, na Engenharia, no Direito e muitas outras. Na Medicina não tem sido diferente. A quantidade de informação é tanta que para darmos conta dela com a máxima eficiência tivemos que dividir com outros profissionais o conhecimento em saúde. A Biomedicina, a Engenharia Genética, a Engenharia de Alimentos são algumas das parcerias que nos ajudaram a reformular nosso pensamento a respeito do cuidado médico. Depois que aprendemos que a expressão da doença não depende unicamente da genética e que podemos intervir de forma bastante eficaz na prevenção, muito se tem falado em promoção de saúde. Seria talvez o momento de nos dedicarmos a uma nova área de especialização médica para que, no dia a dia, possamos nos encarregar de oferecer aos pacientes a informação e os cuidados necessários para uma maior qualidade de vida na longevidade.

Nós médicos, com certeza e cada vez mais queremos ajudá-lo na tarefa de manter a sua saúde.

Apenas tenha um pouco de paciência conosco (médicos) porque apesar de bem intencionados ainda somos muitos com dúvidas a respeito da multiplicidade de opções e de como utilizar tudo que sabemos hoje. Outros ainda manifestam grande ceticismo em relação à eficácia da intervenção médica através de recursos outros que não a medicação alopática e o trabalho pontual com a doença.

O viés não ortodoxo em relação à saúde e ao tratamento do indivíduo não é tolerado pela maioria dos médicos. A comunidade científica se fecha em torno da medicina baseada em evidências em detrimento de um olhar mais generoso em seu entorno. Ao conhecimento milenar adquirido em todas as áreas relacionadas à saúde não é dado sequer o beneficio da dúvida.

E esta integração entre as “medicinas” poderia ser tão bem explorada! O reducionismo médico-científico (alopatia) aliado à medicina do todo (meio ambiente e ser humano psico-fisico-social) contemplariam as múltiplas manifestações e causas de ausência de saúde. Menos iatrogenia e provavelmente mais qualidade de vida é o que teríamos no longo prazo.

 

Muito se faria pela saúde se pudéssemos repensá-la sob novas bases!


Iatrogenia refere-se a um estado de doença, efeitos adversos ou complicações causadas por ou resultantes do tratamento médico. Contudo, o termo deriva do grego iatros (médico, curandeiro) e genia (origem, causa), pelo que pode aplicar-se tanto a efeitos bons ou maus. Em farmacologia, o termo iatrogenia refere-se a doenças ou alterações patológicas criadas por efeitos laterais dos medicamentos.  http://pt.wikipedia.org/wiki/Iatrogenia.

A Medicina e o cuidar da saúde

A Medicina ortodoxa não priorizou a visão do todo. Ela considera tão somente um órgão, tecido ou sistema a ser reparado na doença. Mais ainda, ela não admite estratégias terapêuticas diferentes daquelas ditadas pelo cientificismo da visão ortodoxa, alopática.

Penso que não se deve eleger nenhuma forma terapeutica como verdade única. Acredito que todas sejam ferramentas úteis, a cada momento, e em cada caso. E que não existe apenas uma única forma ideal de tratar um doente. Isso porque ainda acredito na capacidade ímpar de restabelecimento do organismo. E para mim, tratar deve ter o significado de ajudá-lo a voltar à situação de homeostasia, com o mínimo desgaste possível. Lembra da bateria que vai perdendo energia, como eu disse em outro post, e em determinado momento não consegue mais retomar a tarefa de manter o equilíbrio? Mínimo desgaste possível significa procurar manter inalteradas as rotas bioquímicas pré-estabelecidas. Isto só é possível se as drogas sintéticas forem utilizadas cada vez menos e por menos tempo.

E todas as formas de cuidar serão úteis, pontualmente, no tratamento de cada indivíduo, e específicas para ele, uma a cada momento. Mas nenhuma delas deverá ser usada cronicamente na manutenção do estado de saúde. Esta tarefa deverá ser devolvida ao próprio organismo. No longo prazo, todas elas, drogas alopáticas, fitoterápicas e/ou suplementação biomolecular são indesejáveis, a não ser na situação de manutenção da vida, quando o organismo já perdeu a capacidade de retomar o controle e a homeostasia. Neste caso específico, sem dúvida, a alopatia é opção única.

O que questionamos é a excessiva valorização da doença em detrimento da promoção de saúde. E lembramos ser mais importante valorizar a prevenção das emergências que a medicina oficial trata, com sucesso, para ver, depois de algum tempo, o retorno do mesmo paciente a situações de risco igual ou maiores que aquelas dos quais o socorreu essa medicina organicista.

          Nós estamos vivendo a era da globalização, da visão do macro, do olhar à distância. A Medicina parece andar na contramão da sua época quando se torna, cada vez mais reducionista, localizada. Especialidades, sub-especialidades, avaliações míopes, cada vez mais olhando apenas o órgão doente, tratando aquela célula diferente. Mas nada no organismo funciona isoladamente!   Ele é uma máquina  de múltiplas funcionalidades, mas todas fazendo parte de um ambiente controlado com perfeição pelo conjunto de órgãos que se auxiliam na busca da manutenção do equilíbrio orgânico.

          Pare e pense!  Desde que nascemos essa máquina passa por mudanças, trilhões de vezes a cada dia, programada que foi para nos auxiliar a manter a vida pelo tempo que puder ser usado o seu sistema de compensação. E cada vez mais o organismo está ocupado em nos proteger de todas as múltiplas formas de agressão que nos atingem.O caos ambiental não difere do caos interno vivido hoje, por muitos de nós .Fomos os responsáveis pela destruição ambiental, assim como somos responsáveis pela falta de saúde (cada vez maior)!

Ainda podemos mudar este cenário!