Ajudando voce a gerenciar sua saúde!

Projeto Click & Block

Imagine que sua meta é ter o conhecimento e o poder de otimizar sua saúde. Definir a qualidade de vida que quer ter ao longo da vida, independentemente de sua herança genética e terreno biológico. A sua saúde está em suas mãos. As decisões tomadas hoje se refletirão amanhã na sua longevidade saudável ou em sua má qualidade de vida futura.

A epigenética nos permite afirmar hoje que conseguimos evitar desenvolver ou “expressar” as doenças que herdamos em pelo menos 73%, implementando ações que modifiquem o estilo de vida. A herança genética teria um peso de em torno de 17% associado a 10% de “outros fatores” segundo pesquisa da Universidade de Harvard veiculada no www.becoaching.com.br

A Medicina do Estilo de Vida aplicada no programa TAKE CARE da Rio Sport Center http://www.facebook.com/takecare (idealizado pela Drª Silvia Lagrotta) implementa as mudanças necessárias à melhora da qualidade de vida e recuperação funcional do interessado em cuidar de forma inteligente sua saúde em vez de focar na doença. Uma equipe multidisciplinar (medica geriatra, nutróloga, nutricionistas, psicólogas e educadores físicos) gerencia a recuperação da saúde e a manutenção dos resultados.

Segundo o Dr. Alexandre Ghelman da Interativa Saúde www.interativasaude.com.br “o indivíduo pode fazer mais para a sua própria saúde e bem-estar do que qualquer médico, hospital, remédio ou equipamento medico exótico”. A auto responsabilidade é parte do processo para uma vida mais plena, diz ele.

Outro site, o da Sociedade Brasileira de Wellness Coaching www.sbwcoaching.com.br sustenta que “o wellness coaching é o processo que acelera a realização de mudanças de comportamento duradouras a fim de se alcançar níveis elevados de bem-estar e saúde”.

Mas segundo o Dr. David Agus, oncologista americano autor de best-sellers como a “Vida sem doenças” e “Guia rápido para uma vida longa”, a “prevenção é uma ideia difícil de promover. Todos queremos viver despreocupados agora e sofrer as consequências mais tarde”.

A conscientização para a senilidade responsável e de qualidade é uma necessidade frente à crescente epidemia de doenças crônicas degenerativas e o consequente aumento da agonia de uma morte anunciada, lenta e dolorida. Envelhecer com qualidade e morrer com dignidade. De preferência dormindo, depois de desfrutar de uma longa e feliz existência. Utopia? Não creio. Hoje é uma realidade possível!
Corpo e mente em equilíbrio harmonioso, ajudando a manter a homeostasia.

A base do coaching é a utilização de ferramentas que ajudem a mobilizar forças internas e recursos externos para uma mudança sustentável! Em saúde, estratégias de promoção de saúde e bem estar com foco no potencial de cada indivíduo aliadas a algumas ferramentas de coaching têm a capacidade de equilibrar o binômio saúde-doença e ressignificar positivamente a saúde no envelhecimento.

Interessante a possibilidade de uso da ferramenta SBCoaching, “House of Change”, um modelo sistemático de mudança onde se identificam objetivo/meta e listam valores e propósitos influenciando pensamentos, sentimentos e comportamentos.

Outra ferramenta é a Análise do Campo de Força (powerscript) que identifica as forças propulsoras (para fortalece-las) e as forças contrarias (para minimizar a resistência).

Desenvolver competências emocionais para não comprometer os resultados da mudança de estilo de vida, conseguir administrar comportamentos e manter uma atitude proativa são requisitos necessários para implementar (e consolidar) as mudanças necessárias para o empoderamento individual na gestão do processo da sua saúde.

Minha proposta hoje é identificar numa amostragem aleatória (não controlada) as forças propulsoras e as competências emocionais identificadas como essenciais à mudança no paradigma da saúde, assim como as forças contrarias que sabotam os esforços individuais.

QUESTÕES:

Se você tivesse certeza de que poderia mudar sua qualidade de vida e bem-estar a curto, médio e longo prazos, o que você apontaria como:

1- As forças propulsoras (o “click” que alavancaria essa mudança)
2- A competência emocional (necessária tanto para deixar a zona de conforto quanto para sustentar a mudança de estilo de vida)
3- As forças contrárias (o“block” que poderia travar e comprometer a mudança)

Este projeto é fruto da aplicação da ferramenta pirâmide do sucesso (Geronimo Theml) modificada por Jana Carvalho, usada na identificação das etapas necessárias para levar a termo um projeto de maior abrangência em saúde: o Projeto Longevidade Saudável

Anúncios

O coaching na Saúde

Mais de 30 anos depois da Declaração de Alma-Ata (1978) cujo mote era “Saúde para todos no ano 2000”, vivemos uma epidemia de obesidade, de câncer e de doenças degenerativas cronicas (EVITÁVEIS!).
O que nos imobiliza?
Quais os nossos sabotadores de saúde coletivos?
Como o processo de coaching pode ajudar a colocar em perspectiva a necessidade e direito básico do individuo que é ter saúde?
A facilitação de informação em saúde e prevenção de doenças não mudaram as estatísticas médicas…

 
O que você pensa a respeito?
O que voce tem feito para melhorar seus indicadores de saúde?

 

O “coaching” na Saúde

 

A condução de projetos de consultoria em longevidade saudável através da utilização de ferramentas de medicina funcional e da implantação de programas de prevenção seriam otimizadas com a formação de equipe multidisciplinar. Ela estaria voltada principalmente para dar foco, desenvolver metas realistas e tirar o indivíduo da sua zona de conforto para que ele consiga dar um “up” em sua saúde. E (principalmente) para que permaneça focado nas metas e em melhoria contínua, rumo à longevidade com qualidade. A utilização de ferramentas de “coaching” na condução do trabalho em equipe seria de grande ajuda para alavancar as mudanças necessárias ao resultado mais rápido e duradouro.

Os profissionais poderiam atuar em endereços diferentes, cada um pontuando de acordo com sua especialidade, mas mantendo um prontuário único para cada indivíduo que teria uma “carteira de saúde” digital ou em mídia gráfica, por exemplo. Ou através de “reports” aos outros membros da equipe em ambiente virtual fechado ou ainda num espaço específico para atendimento do público alvo, independente da atividade profissional principal de cada membro da equipe. Nesse grupo estariam médico(s), nutricionista(s), nutrólogo(s) e psicólogo(s), além de educadores físicos.

Seria bem enriquecedora a atividade em grupo, cada um em sua área, porem juntos num mesmo objetivo final para o cliente: mudança de estilo de vida e construção de um modelo de saúde voltada para uma longevidade saudável.

A multiplicação de resultados através do trabalho com comunidades, desenvolvido em paralelo ao projeto voltado para indivíduos proativos que já estariam buscando qualidade de vida como objetivo principal em saúde ajudaria a dar alcance muito maior ao projeto e seus fins. Esse trabalho também teria o foco principal em saúde, porem com metas mais curtas e focando no objetivo a curto prazo, tentando identificar alvos possíveis que possam levar a resultados mensuráveis pelos próprios indivíduos. A identificação e cumprimento de metas curtas iria aos poucos levando à melhor qualidade de vida dos assistidos e devolvendo a eles a capacidade de cuidar e se responsabilizar pela própria saúde. A redução do índice de medicalização e de busca às unidades assistenciais públicas, já abarrotadas de pacientes e com um trabalho meramente paliativo seria apenas uma das consequências naturais do trabalho de conscientização e facilitação de informação levado às comunidades assistidas. As diferentes expertises dos profissionais da equipe multidisciplinar são essenciais ao projeto e dão suporte umas às outras.

Identificar o que pode ser melhorado hoje e agora é a meta número um desse projeto comunitário. Introduzir técnicas de trabalho pontual na área psicológica para dar suporte ao trabalho social parece ser crucial no aporte dessas questões com a população assistida.

Algumas ideias não postas em pratica, um trabalho que não saiu do “papel” há mais de cinco anos está “alinhavado” em www.comunidadeesaude.wordpress.com

Existem projetos muito interessantes na área governamental que podem ser avaliados através dos links disponibilizados no blog acima. Experiências bem sucedidas em outros países também estão disponíveis. A metodologia do “coaching” tem se mostrado eficaz! Ela pode ajudar (e muito) na área da Saúde.

O ajuste periódico da metodologia se daria através de feedback contínuo entre as várias unidades desenvolvedoras do trabalho. Uma experiência que tem tudo para dar certo e pode levar ao aumento dos índices de saúde e desenvolvimento humano do país.

Vamos responder de forma positiva ao aumento das doenças crônicas degenerativas evitáveis! O paradoxo na área da saúde está no aumento das epidemias dessas doenças apesar do desenvolvimento tecnológico e do conhecimento cientifico. A epigenética mostra ser possível modificar a expressão dos genes. Nunca se falou tanto em mudança de estilo de vida. Quais são os sabotadores coletivos que nos fazem conhecer o cenário negativo na saúde e não conseguir mudar o desfecho? A OMS e outras entidades divulgam estatísticas pessimistas em relação aos indicadores de saúde em todos os cantos do mundo. Por que é tão difícil mudar? O que, nós médicos e profissionais da saúde podemos fazer a respeito, além de sermos facilitadores de informação?

A presença de “coaches” nas empresas têm tido resultados fantásticos que são continuamente divulgados. Por que não aproveitar o conhecimento adquirido nessa área e levar à saúde os mesmos resultados positivos agregados ao desenvolvimento do processo de “coaching”?

Aqui no Rio de Janeiro, a FIRJAN está desenvolvendo um Programa de Saúde e Qualidade de Vida e vem recrutando profissionais para atuar lado a lado com os médicos. O projeto utiliza o “coaching” para alavancar os resultados desejados num prazo mais curto! E a proposta é que a melhoria seja contínua e não apenas pontual. É um trabalho necessário e que pode mudar efetivamente o cenário da Saúde do país.

Vamos participar?

Cada um em seu dia a dia ou junto com outros profissionais em projetos coletivos?

Por que alguns adoecem mais do que outros?

Destino biológico, uma via de mão única?

 

Por que alguns adoecem mais do que outros?

 

A vida se manifesta em nós de forma absolutamente distinta. Somos biologicamente diferentes uns dos outros. Mesmo gêmeos univitelinos têm identidades bioquímicas e celulares diferentes.

Aliada à organicidade única, os indivíduos diferem também quanto ao temperamento e personalidade. Se expandirmos esse raciocínio, as muitas variáveis e possibilidades de combinação dessas características seriam infinitas.

Aonde quero chegar?

O que tento lembrar é que somos tão diferentes uns dos outros que me parece “non sense” pensar a Medicina de forma tão linear e ter fórmulas terapêuticas únicas para cada doença manifestada em indivíduos tão diferentes entre si.

Todas as áreas do conhecimento humano possuem uma dinâmica própria. Nenhum conhecimento é imutável, verdade absoluta para sempre. Mas especialmente a Medicina deve ser vivida como fonte de conhecimento que evoluiu tremendamente nas últimas duas décadas, mas que ainda acumula mais dúvidas do que certezas.

Aprendemos todos os dias vivendo a Medicina como ela é: uma arte! Arte de ouvir, questionar, intuir, descobrir,duvidar, mas antes de tudo, a arte de se comover tentando entender o funcionamento e ajudando o organismo a retomar o seu equilíbrio.

Sob esse aspecto, os consensos médicos atuais priorizam a universalidade estatística dos sintomas e sinais. Esquece de (antes de tudo) tentar entender como e porque aquele indivíduo (em especial) adoeceu.

A genética expõe as possíveis e prováveis áreas de risco, mas a imprevisibilidade da instalação ou não da doença depende mais (ou em igual proporção) do temperamento do indivíduo, das condições em que ele vive e do seu estilo de vida (ambiente familiar, clima, hábitos alimentares, atividade física). É o que a epigenética nos tem ensinado: que o determinismo genético não é a verdade médica absoluta! Como diz o ditado: “Há mais coisas entre o Céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia”. E a Medicina é um grande e complicado quebra-cabeças!

Mas a verdade é que estamos mais doentes do que nunca. Como já disse antes, vivemos por mais tempo, mas o custo tem sido alto. Câncer, diabetes, obesidade,pressão alta e demência cada vez mais prevalentes entre nós. O que deixamos de ver ao longo do processo de aumento da expectativa de vida? O cientificismo médico tem nos proporcionado vida mais longa, mas…o mesmo não se pode dizer da qualidade de vida. O que deixamos de ver, nós médicos, enquanto nos preocupávamos em tratar infecções, normalizar pressões e taxas de açúcar de nossos assistidos?

Estávamos apenas tratando os sintomas resultado do adoecimento…que poderia ter sido evitado! Seria possível evitar (na maioria das vezes) ou pelo menos minimizar (em muito) a sintomatologia, além de personalizar cada vez mais o tratamento dessas mesmas doenças? Delírio demais? Temos realmente poder para mudar o nosso destino biológico (genótipo)? Mas, acima de tudo, queremos mudar e estamos (mesmo) dispostos a lutar contra nossos impulsos e necessidades de gratificação instantânea, o prazer acima de tudo?

Este é o cerne da questão, a meu ver. É tão mais fácil (e prazeroso) pensar (e agir) aqui e agora, viver hoje como se não houvesse amanhã… Estou falando dos erros alimentares, dos excessos da mesa e do apelo fácil do sedentarismo. A motivação tem que ser do próprio indivíduo. Mas a orientação básica e o estímulo necessário são tarefas do profissional da área da saúde.

 

A medicina psicossomática estuda a relação mente-corpo, mas ainda engatinha. E, enquanto não soubermos como cada um de nós, com personalidades e temperamentos diferentes pode (através do auto-conhecimento e da solução das suas questões emocionais) evitar o adoecimento físico, continuaremos a prescindir das mesmas orientações gerais: dieta, exercício físico e manter ressonância com os bons pensamentos além das técnicas anti-stress.

Nesse sentido é interessante a matéria divulgada no jornal “O Globo” sobre stress e carga genética (genótipo) versus surgimento de doenças (fenótipo). Vale a pena ser lida!