Diferentes Medicinas: tratar ou prevenir

Intervenção terapêutica versus promoção de saúde

 

Algumas vezes somos questionados sobre as diferentes Medicinas e as diferentes formas de avaliação de Saúde. Cabem esclarecimentos.

Não vejo diferentes Medicinas. A Medicina é uma só. A forma de pensar a saúde e a doença é que varia. Nem vou falar de religião! Vou comparar com o futebol. Existe Futebol (ponto). Todos sabemos as regras de jogo. A finalidade é o gol…mas diversas são as formas de se chegar lá! Existem times que jogam na retranca outros não. E dependendo do resultado parcial de um jogo, os técnicos podem mudar de esquema tático. Hoje em dia os mais usados são o 4-4-2 e o 3-5-2 (segundo a wikipedia, por que eu mesma não entendo nada de futebol…)

Então em Saúde existem os que pensam (e atuam) no curto prazo, na doença aguda, instalada, nos sintomas atuais tão somente e usando medicamentos que abortam esses sintomas e livram o paciente das queixas pontuais. Na emergência médica essas ações salvam vidas. É uma medicina de altíssima qualidade e que vem aumentando o índice de longevidade. Mas na doença crônica sua eficiência deixa a desejar. A qualidade de vida não tem acompanhado a longevidade.

E há os que identificam como objetivo maior a prevenção da doença, não apenas seu tratamento.

Cada indivíduo tem sua herança genética, vive em ambientes e tem estilos de vida diferentes, que contribuem positiva ou negativamente para a expressão desses genes Além dos nossos genes herdados, carregamos possíveis mutações. Esse conjunto engloba o terreno biológico. Expressar ou não os genes significa adoecer ou não. E hoje sabemos pela Epigenética (um novo viés do estudo da genética médica) que nós podemos, sim, não expressá-los! Não somos reféns da nossa carga genética como pensávamos antes!

Identificando o terreno biológico do indivíduo e, sem deixar de resolver queixas pontuais, estabelecemos metas e criamos ações de médio e longo prazo para que o organismo retome seu equilíbrio em cada fase da vida.

A Medicina Biomolecular é uma das formas de pensar e fazer esse tipo de acompanhamento. Todas as formas de atuar na saúde podem levar a resultados positivos. Existem aqueles que só se tratam com homeopatia, outros usam o saber milenar da Ayurvedica ou da Medicina Chinesa. Eu sou mais eclética e penso que cada saber acrescenta e a intervenção hoje pode ser diferente da que faremos amanhã. Existem tipos de doença em que a homeopatia traz mais benefícios a longo prazo e menos danos colaterais do que a alopatia (p.ex. nas alergias). Todas as alternativas são válidas. Vai depender do momento usar uma ou de outra forma de ver e tratar do adoecimento.

Mas pensando em evitar a doença, se conhecemos o terreno biológico do indivíduo e os fatores de risco específicos podemos tentar identificar que direção o organismo está tomando ao ter que lidar com a predisposição e os fatores de risco ambientais e de estilo de vida.

Se identificamos desvios de rota temos que alertar o indivíduo para que faça as modificações necessárias para que o organismo retome a rota que mais provavelmente o livrará da doença. Não há como cobrir todos os possíveis vieses mas dessa forma teremos uma boa dianteira em relação à doença. No longo prazo isso significa longevidade mais saudável!

 

Um exemplo:

A avaliação de um exame plasmático (exame de sangue) pode ser feita de duas formas. A primeira buscando sinalizadores de doença (leitura alopática, ou seja, medicina convencional ortodoxa). A outra forma é fazendo uma leitura do terreno biológico, sinalizadores de possíveis áreas onde o organismo enfrenta maiores dificuldades para se equilibrar e que, portanto a médio e longo prazo se traduzirão em perda da homeostasia (equilíbrio orgânico) e consequentemente aparecimento da doença.

Em relação à insulina, os valores de normalidade indicados pelos laboratórios são valores obtidos estatisticamente analisando uma população X (pessoas doentes e sadias). Na visão da Medicina Biomolecular, o valor ideal da insulina seria entre 5 e 6. Como a discussão sobre manteiga e margarina, qual delas é pior para a saúde, em Medicina existe também interpretações distintas em relação aos valores dos exames plasmáticos. Eles mudam de tempos em tempos. Por ora, esses são os valores utilizados para avaliar predisposição. Um aumento desses valores a longo prazo significa “resistência à insulina” e leva a mudanças bioquímicas importantes que se traduzem mais tarde por alteração no metabolismo da glicose e aí sim, o diabetes tipo 2 seria diagnosticado.

Além disso não devemos nos esquecer de que um dado isolado não tem significado maior. Devemos sempre nos reportar aos resultados anteriores do mesmo exame naquela mesma pessoa (análise sequencial comparativa). A comparação dos valores obtidos em cada exame, de tempos em tempos é que sinaliza que algo não vai bem no organismo. Um exemplo bem próximo, minha mãe tinha insulina em torno de 6-7. Num determinado momento a insulina foi para 11 e (não por acaso) os triglicerídeos subiram muito. Essa fração da gordura do sangue pode expressar uma alteração no mecanismo de aproveitamento e armazenamento da glicose. Feita mudança de dieta, 4 meses depois a insulina estava em 8 (mais próxima do ideal dela). Isso num organismo octogenário, ou seja, em que o retorno ao equilíbrio é mais difícil uma vez que o envelhecimento cronológico significa também envelhecimento biológico. Ou seja, o retorno à normalidade das reações químicas de restauração é sempre mais difícil de acontecer quanto mais velhos ficamos.

Enfim, não existe apenas uma versão dos fatos. Várias leituras são possíveis, dependendo do que estamos buscando. “Saúde” pontual (hoje) de um lado ou saúde no longo prazo, para isso tendo que realinhar objetivos e resultados, em nova direção evitando assim um desfecho negativo futuro (evitável).

Nem sempre temos essa possibilidade em Medicina. Muitos dados desconhecemos. Mas em relação ao Diabetes Mellitus tipo 2, uma epidemia anunciada para este século (junto com câncer e Alzheimer), já temos muitos dados que facilitam a condução de muitos casos evitando (ou postergando) seu aparecimento na grande maioria dos casos. Isso quando o indivíduo entende o processo e as medidas necessárias para mudar o quadro. É senso comum que se você quer corrigir um comportamento tem que entender a causa dele, em primeiro lugar.

A resistência à insulina não existe apenas nos obesos ou sobrepeso. As doenças têm seu tempo de incubação se posso me referir dessa forma em relação às doenças crônicas degenerativas evitáveis. Em média o que se vê é um intervalo (“gap”) de 7 a 10 anos antes que um desequilíbrio bioquímico muito incipiente (ainda no início) se transforme em doença detectável. O organismo humano é uma máquina sensacional, maravilhosa! Ele faz de tudo para reparar os danos que nós (por ignorância ou teimosia) causamos a ele e a nós mesmos. E só então “joga a toalha e desiste”. Ele nos dá tempo para modificar o que pode ser modificado. Por isso se fala em “aprender a ouvir o corpo”. Existem vários livros a esse respeito.

O Alzheimer hoje está sendo visto como um tipo de diabetes (tipo 3) por conta do aumento da resistência à insulina observada a nível neuronal. Vale lembrar que o cérebro é movido à glicose! Mas se o metabolismo dela fica alterado, todas as outras reações que se processam no cérebro (utilizadas para manter seu perfeito funcionamento) são alteradas. E algumas áreas sofrem mais do que outras (p.ex. hipocampo).

A leitura de um exame de insulina, por exemplo, fica mais complicada numa mulher com SOP (síndrome de ovários policísticos) doença que não é dos ovários, apesar do nome. Nesse caso o problema está na hipófise (que regula os hormônios) e a desregulação ovariana é o primeiro sintoma. Estudos apontam a SOP como fator de risco (50%) para DM2 (diabetes mellitus tipo 2) em mulheres após os 40-45 anos. Então, na pratica clínica preventiva, toda jovem com diagnostico de SOP deve ser alertada para mudança de hábitos alimentares desde cedo para evitar o DM2. Por que arriscar?

A SOP depois que a jovem já iniciou o uso de anticoncepcionais desaparece e a disfunção hormonal (hipotálamo) fica mais difícil de identificar, uma vez que não existem mais aqueles sintomas que a levaram ao médico. E existem outras causas de hiperandrogenismo que não a SOP. A pesquisa e o controle devem ser feitos por especialista (endócrino).

Na faculdade de Medicina não aprendemos a prevenir doenças. Não da forma como vejo prevenção. Os exames de rotina fazem parte de uma estratégia de identificação precoce da doença. Pode ser considerada um tipo de prevenção. Hoje fala-se de prevenção primária, secundaria, terciaria e mais recentemente até prevenção quaternária. Mas penso que a prevenção mais eficaz é a que detecta e resolve fatores de risco modificáveis através de um olhar mais diferenciado. Quando esperamos para ver nos exames de rotina alterações significativas de adoecimento (padrão ouro da Medicina Alopática) estaremos tratando o indivíduo, não mais prevenindo a doença.

Da mesma forma quando se fala em usar drogas como forma de “prevenção” não me parece uma medida saudável. Os indicadores de saúde podem ser modificados com intervenção apenas em hábitos e estilo de vida. Pelo menos deve-se tentar de forma enfática antes da medicalização. Quantos indivíduos após cirurgia bariátrica deixam de usar remédios para pressão alta e diabetes? Mudaram a alimentação (forma e quantidade), mudaram os hábitos, eliminaram a doença (hipertensão e/ou diabetes). Se tivéssemos lá no início da vida deles feito as intervenções cabíveis teria sido necessária a cirurgia? O desfecho poderia ter sido outro? Qual o custo disso no futuro para esses indivíduos?

Desde a década de 80 várias declarações de apoio ao direito de saúde para todos (Alma-Atta, Ottawa e outras) vêm sendo patrocinadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde). A partir daí a “onda” de buscar saúde e não apenas tratar a doença vem sendo disseminada no mundo todo. Mas ainda estamos engatinhando! A Medicina Biomolecular nos oferece uma visão possível de verificação do terreno biológico do indivíduo para poder atuar preventivamente caso a caso. Mas não apenas substituindo uma droga industrializada por outra manipulada (prática comum, infelizmente). E sim intervindo de forma eficaz na mudança possível em relação a fatores de risco modificáveis. As estatísticas futuras validarão as hipóteses construídas a partir de modelos identificados por esta forma de pensar? Espero que sim. Algumas intervenções identificadas pelo modelo biomolecular hoje vêm sendo feitas por alopatas, dando respaldo a elas.

Mas o sistema de crença do indivíduo a quem se destina a orientação deve ser o mesmo do médico que cuida dele ou pelo menos sua visão de saúde e doença não deve ser diametralmente oposta. Nesse caso toda discussão (seja sobre religião ou futebol, etc. etc.) está fadada ao fracasso.

Ou nos direcionamos pontualmente para o tratamento da doença quando e se ela existir. Ou nos antecipamos a ela, mesmo sabendo que em algum momento teremos que redirecionar as intervenções em saúde, a cada novo conhecimento agregado. De qualquer forma não estaremos reféns da nossa genética. Essa é a minha forma de ver o binômio saúde-doença.

Cabe a cada um identificar a sua crença a respeito de saúde e que direção tomar. Se ela for tomada com consciência, baseada no que se acredita, qualquer que seja a decisão sempre será acertada e não existirão arrependimentos. É nossa decisão, faz parte de cada um de nós e de nossos valores. Ela não é apenas baseada na crença de um médico ou um amigo que podem até pensar estar ajudando mas estão oferecendo a crença deles a um indivíduo diferente deles.

A ciência existe, mas pode ser interpretada de formas distintas, todas elas fundamentadas em alguns protocolos e em “cases”. Os artigos científicos têm interpretações diferentes de acordo com os vieses possíveis. Não existe uma única verdade em Medicina (por isso existem formas diferentes de tratamento e todas se mostram de alguma forma eficazes em determinadas pessoas em determinados momentos).

Se ajudar leiam em algum momento de suas vidas (não precisa ser agora) o livro “YOUR MEDICAL MIND – how to decide what is right for you” um best seller (New York) de autoria dos médicos Jerome Groopman e Pamela Hartzband. É muito interessante e mostra como médicos e decisões médicas diferentes podem ser a melhor opção de uns e a pior de outros. Mostra, com vários exemplos reais, que só se arrependem de decisões tomadas, aqueles em que as decisões tenham sido tomadas desconsiderando seu sistema de crenças (individual). O que temos gravado em nosso subconsciente/inconsciente a respeito desse ou daquele evento médico em que tios, parentes ou amigos que tiveram a mesma doença e estiveram na mesma encruzilhada “se deram bem ou mal” com essa ou outra determinada intervenção. É isso que eles chamam de sistema de crença individual.

 

Mesmo que determinada intervenção leve a um desfecho que uns poderiam definir como pior, quando a escolha é feita baseada nas evidencias daquele momento e levando em conta o indivíduo e no que ele acredita, não se vê arrependimento. O sofrimento é menor em relação à decisão tomada! E seguem em frente com suas vidas de forma positiva.

A informação é importante, necessária e está disponível. O médico assistente é o primeiro a veicular essa informação e outras opiniões médicas são benvindas na medida em que o indivíduo ainda tem dúvidas. Não existe apenas uma verdade. As soluções possíveis devem ser analisadas.

Mas a decisão é individual.

 

Anúncios

MEDICINAS: qual a diferença?

Medicina da Saúde  &  Medicina da Doença

Hoje, nós médicos, estamos aprendendo a entender e identificar o momento em que começamos a perder saúde. Conhecemos também a individualidade bioquímica e funcional para modificar rotas, corrigir estilos de vida e evitar o adoecimento.

images

A evolução da criança é acompanhada de perto pelo médico que faz puericultura. Os erros e acertos desta fase são monitorizados pelo profissional de saúde e a condução da evolução física é (ou deveria ser) plena e assertiva!

Por que, depois dessa fase não existe mais orientação para o desenvolvimento e manutenção do equilíbrio orgânico na melhor da sua potencialidade? Ajustes de rota , reorientação e adoção de rotinas para o retorno às funcionalidades orgânicas plenas…já não são mais buscadas pelo individuo nem são ativamente indicadas pelo profissional de saúde!

 

A Medicina da Doença é o que aprendemos nas escolas médicas e praticamos no dia a dia. Nós, indivíduos, passamos anos buscando remédio para novos sintomas que surgem. E médicos vivem de identificar esses sinais e sintomas, montar os quebra-cabeças de cada individuo, catalogando cada um nessa ou naquela doença conhecida (quando as peças se encaixam). Depois dessa etapa, a medicalização da doença identificada!

Alguns indivíduos reclamam que não se sentem bem, estão “diferentes”, já não são como antes…mas vão aos consultórios e clinicas e, apos  vários exames (inclusive de sangue e de imagem), os médicos dizem que eles estão bem. Não estão doentes. Qual o motivo das queixas então,perguntam… se sentindo incompreendidos em seu mal estar. É que ainda estão adoecendo, mas seus organismos se mantem hígidos pelos mecanismos de compensação…e não apresentam (pelo saber medico ortodoxo) sinais da doença em curso.

equilibrio organico     compendio de medicina

É bom lembrar que, em relação à saúde, somente quando TODAS as peças se encaixam (sinais e sintomas), identificando um determinado perfil (já estudado) é que podemos dar nome à doença e definir o tratamento (terapêutica).

O tempo entre as mudanças de rota (bioquímicas e funcionais) que acontecem dentro do organismo e a doença identificável (que tem um nome e um tratamento especifico) costuma ser muito grande: de 7 a 10 anos!

Nesse intervalo, o organismo tenta “apagar incêndio” e muda rotas , alterando as funções orgânicas aqui e ali, numa tentativa hercúlea de reequilibrar o todo (homeostasia).

homeostasia aula

homeostase

Ação essa que funciona por um tempo até que mecanismos homeostasicos tornam a “nova fisiologia”…ou nova forma de funcionar tão diferente da original que não é mais possível permanecer sadio. A doença se instala e  o corpo pede socorro. Aí entra a MEDICINA DA DOENÇA. O médico pode ajudar …muito…na emergência e na doença instalada! Ele (medico) salva e prolonga vidas, com certeza! Tem sido esse o papel da medicina ortodoxa. A longevidade é uma realidade incontestável…mas a qualidade de vida não acompanhou os anos de vida que ganhamos hoje!Mas…devagar e sempre estamos aprendendo a nos antecipar à doença. A entender e traduzir a mensagem subliminar que formatam as mudanças de rota ao longo do tempo e nos levam ao adoecimento, caso não façamos uma intervenção positiva e gradual!

A meta em saúde é não deixar que todas as peças do quebra-cabeça de cada indivíduo se encaixem! É reconhecer os fatores de risco e mantê-los adormecidos ou mesmo nos contrapormos a eles e eliminá-los de vez! Quebra-cabeças incompleto significa ausência de doença…ainda! Podemos reverter o processo se introduzimos mudanças de hábitos ao nosso dia a dia!

quebra cabeças em medicina

A degeneração orgânica acontece com o envelhecimento claro, mas se somos capazes de perceber as vias comuns catalizadoras da doença seremos capazes de envelhecer com mais qualidade de vida! Mantendo a mobilidade e a autossuficiência e permitindo o funciona- mento de todos os sistemas harmonicamente, mesmo que já não mais em plena função. Em outras palavras, otimizamos essas funções para que elas possam continuar somando esforços e mantendo a higidez do todo.

Saúde é equilíbrio!

idoso saudavel

Vamos ressignificar o envelhecimento! Podemos ser idosos com saúde. Apenas funcionando em potencialidade diferente de quando éramos jovens…, mas em equilíbrio! Palavra chave no processo de ausência de doença e envelhecimento.

Vale lembrar que a definição de saúde não é mera ausência de doença!

O que nos fez pensar que poderíamos seguir em frente sem procurar entender o que cada um em sua individualidade precisa para se manter bem…pelo tempo que levar nossas existências nesse planeta? O que nos liberou da necessidade de cuidar de nós e do nosso meio ambiente (interno e externo) para termos uma vida melhor?

Não viemos ao mundo com um “manual do proprietário”…então deveríamos ter aprendido a nos reequilibrar a cada dia…para ter uma vida saudável e feliz! Cada dia é uma oportunidade de fazer diferente o mesmo caminho. É assim na vida diária…por que seria diferente em relação à saúde?

ROTINA

Crescemos bem, chegamos até a idade adulta, vivemos bem até agora então…é só continuarmos a viver…da mesma forma. É assim que pensamos! Mas na realidade as estatísticas nos mostram uma outra realidade. É por esse viés que entendemos que não mudar o curso, em algum momento, antes do adoecimento, nos levará com certeza às doenças degenerativas crônicas não infecciosas que têm tirado a dignidade do nosso envelhecimento e morte!

A MEDICINA DA SAÚDE prioriza e ensina o retorno à homeostasia e as mu danças de rota necessárias para o equilíbrio orgânico, que é a chospitalhave da saú de e da longevidade.

 

A Medicina cuida de gente…, mas em seus dois momentos possíveis: saúde e doença. E não é por demérito que nomeamos a arte de cuidar da doença instalada, da doença que está matando hoje e amanhã de MEDICINA DA DOENÇA. Ela é imprescindível, sim.

 

Mas vamos entender e priorizar o conhecimento acumulado ao longo dos anos em relação à manutenção da homeostasia, através da promoção de saúde e da prevenção primária.

doutor obrigado

Vamos dar vez à MEDICINA DA SAÚDE para que possamos mudar os indicadores de saúde reduzindo as estatísticas de adoecimento, em todas as suas formas e devolvendo a nós, humanos, a qualidade de vida que podemos ter, do nascimento à morte.

 

NASCER, ENVELHECER E MORRER COM DIGNIDADE!

VAMOS NOS ANTECIPAR À DOENÇA!

VAMOS EFETIVAMENTE CUIDAR DA SAÚDE!

Ajudando voce a gerenciar sua saúde!

Projeto Click & Block

Imagine que sua meta é ter o conhecimento e o poder de otimizar sua saúde. Definir a qualidade de vida que quer ter ao longo da vida, independentemente de sua herança genética e terreno biológico. A sua saúde está em suas mãos. As decisões tomadas hoje se refletirão amanhã na sua longevidade saudável ou em sua má qualidade de vida futura.

A epigenética nos permite afirmar hoje que conseguimos evitar desenvolver ou “expressar” as doenças que herdamos em pelo menos 73%, implementando ações que modifiquem o estilo de vida. A herança genética teria um peso de em torno de 17% associado a 10% de “outros fatores” segundo pesquisa da Universidade de Harvard veiculada no www.becoaching.com.br

A Medicina do Estilo de Vida aplicada no programa TAKE CARE da Rio Sport Center http://www.facebook.com/takecare (idealizado pela Drª Silvia Lagrotta) implementa as mudanças necessárias à melhora da qualidade de vida e recuperação funcional do interessado em cuidar de forma inteligente sua saúde em vez de focar na doença. Uma equipe multidisciplinar (medica geriatra, nutróloga, nutricionistas, psicólogas e educadores físicos) gerencia a recuperação da saúde e a manutenção dos resultados.

Segundo o Dr. Alexandre Ghelman da Interativa Saúde www.interativasaude.com.br “o indivíduo pode fazer mais para a sua própria saúde e bem-estar do que qualquer médico, hospital, remédio ou equipamento medico exótico”. A auto responsabilidade é parte do processo para uma vida mais plena, diz ele.

Outro site, o da Sociedade Brasileira de Wellness Coaching www.sbwcoaching.com.br sustenta que “o wellness coaching é o processo que acelera a realização de mudanças de comportamento duradouras a fim de se alcançar níveis elevados de bem-estar e saúde”.

Mas segundo o Dr. David Agus, oncologista americano autor de best-sellers como a “Vida sem doenças” e “Guia rápido para uma vida longa”, a “prevenção é uma ideia difícil de promover. Todos queremos viver despreocupados agora e sofrer as consequências mais tarde”.

A conscientização para a senilidade responsável e de qualidade é uma necessidade frente à crescente epidemia de doenças crônicas degenerativas e o consequente aumento da agonia de uma morte anunciada, lenta e dolorida. Envelhecer com qualidade e morrer com dignidade. De preferência dormindo, depois de desfrutar de uma longa e feliz existência. Utopia? Não creio. Hoje é uma realidade possível!
Corpo e mente em equilíbrio harmonioso, ajudando a manter a homeostasia.

A base do coaching é a utilização de ferramentas que ajudem a mobilizar forças internas e recursos externos para uma mudança sustentável! Em saúde, estratégias de promoção de saúde e bem estar com foco no potencial de cada indivíduo aliadas a algumas ferramentas de coaching têm a capacidade de equilibrar o binômio saúde-doença e ressignificar positivamente a saúde no envelhecimento.

Interessante a possibilidade de uso da ferramenta SBCoaching, “House of Change”, um modelo sistemático de mudança onde se identificam objetivo/meta e listam valores e propósitos influenciando pensamentos, sentimentos e comportamentos.

Outra ferramenta é a Análise do Campo de Força (powerscript) que identifica as forças propulsoras (para fortalece-las) e as forças contrarias (para minimizar a resistência).

Desenvolver competências emocionais para não comprometer os resultados da mudança de estilo de vida, conseguir administrar comportamentos e manter uma atitude proativa são requisitos necessários para implementar (e consolidar) as mudanças necessárias para o empoderamento individual na gestão do processo da sua saúde.

Minha proposta hoje é identificar numa amostragem aleatória (não controlada) as forças propulsoras e as competências emocionais identificadas como essenciais à mudança no paradigma da saúde, assim como as forças contrarias que sabotam os esforços individuais.

QUESTÕES:

Se você tivesse certeza de que poderia mudar sua qualidade de vida e bem-estar a curto, médio e longo prazos, o que você apontaria como:

1- As forças propulsoras (o “click” que alavancaria essa mudança)
2- A competência emocional (necessária tanto para deixar a zona de conforto quanto para sustentar a mudança de estilo de vida)
3- As forças contrárias (o“block” que poderia travar e comprometer a mudança)

Este projeto é fruto da aplicação da ferramenta pirâmide do sucesso (Geronimo Theml) modificada por Jana Carvalho, usada na identificação das etapas necessárias para levar a termo um projeto de maior abrangência em saúde: o Projeto Longevidade Saudável

Não somos reféns da nossa genética!

Hoje sabemos que a longevidade depende mais do estilo de vida (73%) do que da carga genética (17%) ou outros fatores (10%), percentuais esses que foram estimados por diversos estudos conduzidos por universidades americanas. A epigenética tem se manifestado a respeito, endossando o viés estilo de vida como o fator mais importante na redução da expressão de genes defeituosos que levariam à manifestação da doença. Em outras palavras, não somos reféns da nossa genética como pensávamos. Podemos mudar nossa história. Podemos ser mais saudáveis do que nossa programação genética nos permitiria. Depende de nós!

Sabemos também que o estresse crônico da vida moderna é o grande vilão sendo responsável por 80% de todas as consultas médicas (Harvard).

Segundo Marie Bendelac e Wanda Quadra, wellness coaches   do www.becoaching.com.br   o controle do estresse através de  “…melhor gestão do tempo, mudanças dos fatores de risco para a saúde, redução do nível de ansiedade e aumento da resiliência…” é uma ferramenta poderosa quando a meta é promover saúde e atuar em prevenção primária.

Há cerca de 3 décadas vem evoluindo o movimento para mudanças do paradigma médico que sempre foi a identificação e o tratamento da doença, tão somente.

A doença está deixando de ser o foco da atenção médica. Queremos mais! Queremos nos antecipar a ela. Buscamos retomar um estilo de vida mais saudável para uma vida mais longa sim, mas com mais qualidade, principalmente.

Aprendemos muito ao longo desses anos. E temos revisitado as práticas milenares que foram substituídas pela visão míope da medicina ortodoxa, como hoje sabemos. Cabe aqui ainda um mea culpa a respeito do pensamento coletivo sobre saúde, de médicos, cientistas e todos os profissionais da área da saúde.

Mas a verdade é que evoluímos muito do ponto de vista tecnológico. Apesar de sermos capazes de salvar muitas vidas antes ceifadas devido a graves acidentes e traumas, além de doenças agudas infecciosas, no terreno da doença crônica degenerativa temos menos a oferecer em termos de qualidade de vida ao paciente, no longo prazo.

Em outras palavras, num ritmo bem mais lento, estamos reaprendendo a cuidar melhor do nosso corpo e mente objetivando uma crescente redução dessas doenças degenerativas, com aumento da qualidade de vida em paralelo à longevidade adquirida nas ultimas décadas, por conta da evolução tecnológica médica.

Ainda há muito o que fazer e a atenção deve estar voltada para a promoção de saúde para que a longevidade saudável possa ser uma realidade para todos nós.

A Medicina usa uma escala evolutiva para graduar os níveis de prevenção da doença (prevenção primária, secundaria, terciária e quaternária). Chamamos de prevenção primária o estágio pré-doença, quando ainda não existem sintomas ou sinais de doença, mas já observamos no organismo desvios de função para criar um novo equilíbrio possível.

Mas o que mais vemos hoje é a detecção precoce da doença através de prevenção secundária ativa (check-up). No estágio anterior poderíamos evitar a doença. Já na detecção precoce conseguimos reduzir (muito) o prejuízo funcional no longo prazo. Mas a doença está instalada. A medicalização é necessária qualquer que seja ela.

Prevenção ipsis literis seria a identificação desde cedo dos fatores de risco individuais através do terreno biológico de cada um, uma contribuição brilhante da forma de entender a doença, sugerida pela visão homeopática de adoecimento. É preciso revisitar conceitos ancestrais a respeito do desvio da fisiologia orgânica.

A máquina humana é maravilhosa e de uma beleza ímpar! Impossível de ser recriada em toda sua essência.

E essa máquina nos pede ajuda quando precisa e nos dá prazo suficiente para que a  ajuda chegue em tempo de realinhar parâmetros fisiológicos e iniciar a retomada do funcionamento viável para cada organismo, a seu tempo! Pena que nós ainda não estejamos completamente familiarizados com a linguagem do corpo. Em relação às doenças crônicas degenerativas ela, doença, avisa que vai acontecer. E há um hiato grande (de até 5 a 7 anos) entre as mudanças fisiológicas de compensação e a falência dos mecanismos de reequilíbrio. É quando a homeostase se rompe e sobrevém a doença, com seus sinais e sintomas característicos.

Nesse intervalo o indivíduo “nada sente” ou procura o médico com queixas mínimas, banais, aqui e ali mas, após exames complementares (ainda normais às custas de mudanças orgânicas tentando reverter o processo de adoecimento), ele sai do médico sem muitas respostas. Não tem doença detectável…ainda. Apenas queixas isoladas e não valorizadas.

A sensação de que já não é mais a mesma pessoa, que o organismo mudou existe. Mas ainda não é possível tratar o que efetivamente não pode ser diagnosticado (ainda). A doença ainda não se instalou. Mas esse é o momento em que a mudança é possível! O período em que a doença ainda pode ser evitada. Seja ela qual for. Um parêntese para lembrar que estamos aqui nos referindo sempre às doenças crônicas que tornarão o indivíduo refém de medicação para o resto da vida e não das doenças infeciosas ou inflamatórias por desequilíbrio pontual do nosso organismo, que se refaz num período breve e retoma o controle da saúde.

Mudar nossa história é possível! E desejável, uma vez que estamos mais longevos a cada dia devido ao avanço tecnológico em relação à manutenção da vida.

A questão agora é a qualidade de vida que vamos ter nos anos a mais que ganharemos de tempos em tempos, com a evolução da ciência. Longevidade saudável é a nossa meta! Plenamente alcançável e mensurável se individualizarmos o cuidado em relação à saúde.

A morte é inevitável e deveria ser consequência natural de uma vida plena e bem vivida. Evitamos falar nela, mas todos desejamos uma morte súbita, sem sofrimento, depois dos 80 ou 90 anos. Como no dito popular…” morrer como um passarinho”. Morrer de morte morrida. Morrer de velhice sim, mas sem doença incapacitante.

Mas o que se vê hoje é bem diferente. Uma morte anunciada, doida e sofrida, solitária e sem dignidade. Ligados a aparelhos em unidades de cuidados intensivos, geladas (física e emocionalmente falando) e isoladas do contato humanizado que tanto conforta! Às vezes um prolongamento desumano da vida, aqui e ali aliviados pelas unidades medicas de cuidados paliativos (ainda raras no nosso meio). Em fóruns permanentes a Ética Medica cuida do assunto, enquanto estatísticas mostram aumento nas ditas doenças crônicas degenerativas que nos levarão a essa situação caótica no fim da vida. Mas poderia ser diferente!

A morte em vida é quando estamos “vivos” ligados a aparelhos que mantém nossas funções básicas mas não sentimos mais a vida dentro de nós. Estamos muitas vezes em casa, acamados, cercados de cuidados, sim, mas “mortos” para a vida de relação e de felicidade que está nas pequenas coisas que já não podemos fazer, ter ou ver.

Meu avô ficou 13 anos deitado numa cama, lúcido, mas sem falar, só interagindo pelo olhar com um tubo para respirar e uma sonda para ser alimentado. Um cenário muito triste, inesquecível e apavorante que infelizmente ainda é comum nos dias de hoje. Levamos nossos queridos para casa, cuidamos deles, mudamos a dinâmica da casa, da família e em algum momento nos perguntamos se o sofrimento do doente e da família não poderia ter sido evitado.

Vamos optar pela vida! Pela saúde em vez da doença! A saúde na longevidade pode e deve ser uma meta comum a todos nós. Precisamos de orientação em nutrição, ter o apoio de um educador físico para eliminar de forma permanente o sedentarismo, além da ajuda de ferramentas de psicologia comportamental para aumentar nossa motivação e nos facilitar o alcance de metas em saúde. Além disso, claro, precisamos de políticas públicas que alcancem a população em geral, através de educação voltada para esses três pilares da saúde integral.

Um “check-up” é muito bom e faz o diagnóstico precoce ajudando muito no tratamento e sobrevida dos indivíduos, diminuindo muito as deficiências funcionais decorrentes da enfermidade.  Mas o gol deve ser sempre evitar a doença!

Muitos médicos brasileiros já estão engajados nessa causa há algum tempo. Muitos estão dando seu recado nas mídias sociais, através de livros, e-books e até mesmo em palestras e programas de TV. Cada um dando a sua contribuição para mudar esse cenário pobre que não é só da Medicina Brasileira.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) num manifesto significativo, através da Declaração de Alma-Atta nos anos 80 dava o passo inicial para alavancar as mudanças necessárias para mudar o cenário ruim que já se desenhava desde então. De lá pra cá as mudanças foram muito poucas. As expectativas não se mostraram realistas. Vivemos hoje epidemias de obesidade, câncer, diabetes e muitas outras doenças degenerativas crônicas, conforme previsto desde aquela época.

Na América o “Life Style Medicine” e o “The Spectrum” são iniciativas importantes na prevenção da doença e na veiculação de informação importante a respeito das causas das doenças e de como evita-las.

Aqui no Rio, um exemplo a ser seguido é o do programa TAKE CARE que aplica o conceito da “Medicina do estilo de Vida” em sua proposta de “ transformação do indivíduo nos aspectos físico, mental e social”.

Cito aqui a frase emblemática que eles usam: “Quando a dor da vida é maior que a dor da mudança, nós procuramos meios de quebrar velhos hábitos para superar e viver melhor”

Por que esperar para sentir essa dor?

Façamos as mudanças necessárias hoje, aqui e agora. Por uma coletividade mais saudável, feliz e capaz de atingir seus objetivos e realizar suas missões de vida.

Que a saúde seja o nosso mantra!

O coaching na Saúde

Mais de 30 anos depois da Declaração de Alma-Ata (1978) cujo mote era “Saúde para todos no ano 2000”, vivemos uma epidemia de obesidade, de câncer e de doenças degenerativas cronicas (EVITÁVEIS!).
O que nos imobiliza?
Quais os nossos sabotadores de saúde coletivos?
Como o processo de coaching pode ajudar a colocar em perspectiva a necessidade e direito básico do individuo que é ter saúde?
A facilitação de informação em saúde e prevenção de doenças não mudaram as estatísticas médicas…

 
O que você pensa a respeito?
O que voce tem feito para melhorar seus indicadores de saúde?

 

O “coaching” na Saúde

 

A condução de projetos de consultoria em longevidade saudável através da utilização de ferramentas de medicina funcional e da implantação de programas de prevenção seriam otimizadas com a formação de equipe multidisciplinar. Ela estaria voltada principalmente para dar foco, desenvolver metas realistas e tirar o indivíduo da sua zona de conforto para que ele consiga dar um “up” em sua saúde. E (principalmente) para que permaneça focado nas metas e em melhoria contínua, rumo à longevidade com qualidade. A utilização de ferramentas de “coaching” na condução do trabalho em equipe seria de grande ajuda para alavancar as mudanças necessárias ao resultado mais rápido e duradouro.

Os profissionais poderiam atuar em endereços diferentes, cada um pontuando de acordo com sua especialidade, mas mantendo um prontuário único para cada indivíduo que teria uma “carteira de saúde” digital ou em mídia gráfica, por exemplo. Ou através de “reports” aos outros membros da equipe em ambiente virtual fechado ou ainda num espaço específico para atendimento do público alvo, independente da atividade profissional principal de cada membro da equipe. Nesse grupo estariam médico(s), nutricionista(s), nutrólogo(s) e psicólogo(s), além de educadores físicos.

Seria bem enriquecedora a atividade em grupo, cada um em sua área, porem juntos num mesmo objetivo final para o cliente: mudança de estilo de vida e construção de um modelo de saúde voltada para uma longevidade saudável.

A multiplicação de resultados através do trabalho com comunidades, desenvolvido em paralelo ao projeto voltado para indivíduos proativos que já estariam buscando qualidade de vida como objetivo principal em saúde ajudaria a dar alcance muito maior ao projeto e seus fins. Esse trabalho também teria o foco principal em saúde, porem com metas mais curtas e focando no objetivo a curto prazo, tentando identificar alvos possíveis que possam levar a resultados mensuráveis pelos próprios indivíduos. A identificação e cumprimento de metas curtas iria aos poucos levando à melhor qualidade de vida dos assistidos e devolvendo a eles a capacidade de cuidar e se responsabilizar pela própria saúde. A redução do índice de medicalização e de busca às unidades assistenciais públicas, já abarrotadas de pacientes e com um trabalho meramente paliativo seria apenas uma das consequências naturais do trabalho de conscientização e facilitação de informação levado às comunidades assistidas. As diferentes expertises dos profissionais da equipe multidisciplinar são essenciais ao projeto e dão suporte umas às outras.

Identificar o que pode ser melhorado hoje e agora é a meta número um desse projeto comunitário. Introduzir técnicas de trabalho pontual na área psicológica para dar suporte ao trabalho social parece ser crucial no aporte dessas questões com a população assistida.

Algumas ideias não postas em pratica, um trabalho que não saiu do “papel” há mais de cinco anos está “alinhavado” em www.comunidadeesaude.wordpress.com

Existem projetos muito interessantes na área governamental que podem ser avaliados através dos links disponibilizados no blog acima. Experiências bem sucedidas em outros países também estão disponíveis. A metodologia do “coaching” tem se mostrado eficaz! Ela pode ajudar (e muito) na área da Saúde.

O ajuste periódico da metodologia se daria através de feedback contínuo entre as várias unidades desenvolvedoras do trabalho. Uma experiência que tem tudo para dar certo e pode levar ao aumento dos índices de saúde e desenvolvimento humano do país.

Vamos responder de forma positiva ao aumento das doenças crônicas degenerativas evitáveis! O paradoxo na área da saúde está no aumento das epidemias dessas doenças apesar do desenvolvimento tecnológico e do conhecimento cientifico. A epigenética mostra ser possível modificar a expressão dos genes. Nunca se falou tanto em mudança de estilo de vida. Quais são os sabotadores coletivos que nos fazem conhecer o cenário negativo na saúde e não conseguir mudar o desfecho? A OMS e outras entidades divulgam estatísticas pessimistas em relação aos indicadores de saúde em todos os cantos do mundo. Por que é tão difícil mudar? O que, nós médicos e profissionais da saúde podemos fazer a respeito, além de sermos facilitadores de informação?

A presença de “coaches” nas empresas têm tido resultados fantásticos que são continuamente divulgados. Por que não aproveitar o conhecimento adquirido nessa área e levar à saúde os mesmos resultados positivos agregados ao desenvolvimento do processo de “coaching”?

Aqui no Rio de Janeiro, a FIRJAN está desenvolvendo um Programa de Saúde e Qualidade de Vida e vem recrutando profissionais para atuar lado a lado com os médicos. O projeto utiliza o “coaching” para alavancar os resultados desejados num prazo mais curto! E a proposta é que a melhoria seja contínua e não apenas pontual. É um trabalho necessário e que pode mudar efetivamente o cenário da Saúde do país.

Vamos participar?

Cada um em seu dia a dia ou junto com outros profissionais em projetos coletivos?

Por que alguns adoecem mais do que outros?

Destino biológico, uma via de mão única?

 

Por que alguns adoecem mais do que outros?

 

A vida se manifesta em nós de forma absolutamente distinta. Somos biologicamente diferentes uns dos outros. Mesmo gêmeos univitelinos têm identidades bioquímicas e celulares diferentes.

Aliada à organicidade única, os indivíduos diferem também quanto ao temperamento e personalidade. Se expandirmos esse raciocínio, as muitas variáveis e possibilidades de combinação dessas características seriam infinitas.

Aonde quero chegar?

O que tento lembrar é que somos tão diferentes uns dos outros que me parece “non sense” pensar a Medicina de forma tão linear e ter fórmulas terapêuticas únicas para cada doença manifestada em indivíduos tão diferentes entre si.

Todas as áreas do conhecimento humano possuem uma dinâmica própria. Nenhum conhecimento é imutável, verdade absoluta para sempre. Mas especialmente a Medicina deve ser vivida como fonte de conhecimento que evoluiu tremendamente nas últimas duas décadas, mas que ainda acumula mais dúvidas do que certezas.

Aprendemos todos os dias vivendo a Medicina como ela é: uma arte! Arte de ouvir, questionar, intuir, descobrir,duvidar, mas antes de tudo, a arte de se comover tentando entender o funcionamento e ajudando o organismo a retomar o seu equilíbrio.

Sob esse aspecto, os consensos médicos atuais priorizam a universalidade estatística dos sintomas e sinais. Esquece de (antes de tudo) tentar entender como e porque aquele indivíduo (em especial) adoeceu.

A genética expõe as possíveis e prováveis áreas de risco, mas a imprevisibilidade da instalação ou não da doença depende mais (ou em igual proporção) do temperamento do indivíduo, das condições em que ele vive e do seu estilo de vida (ambiente familiar, clima, hábitos alimentares, atividade física). É o que a epigenética nos tem ensinado: que o determinismo genético não é a verdade médica absoluta! Como diz o ditado: “Há mais coisas entre o Céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia”. E a Medicina é um grande e complicado quebra-cabeças!

Mas a verdade é que estamos mais doentes do que nunca. Como já disse antes, vivemos por mais tempo, mas o custo tem sido alto. Câncer, diabetes, obesidade,pressão alta e demência cada vez mais prevalentes entre nós. O que deixamos de ver ao longo do processo de aumento da expectativa de vida? O cientificismo médico tem nos proporcionado vida mais longa, mas…o mesmo não se pode dizer da qualidade de vida. O que deixamos de ver, nós médicos, enquanto nos preocupávamos em tratar infecções, normalizar pressões e taxas de açúcar de nossos assistidos?

Estávamos apenas tratando os sintomas resultado do adoecimento…que poderia ter sido evitado! Seria possível evitar (na maioria das vezes) ou pelo menos minimizar (em muito) a sintomatologia, além de personalizar cada vez mais o tratamento dessas mesmas doenças? Delírio demais? Temos realmente poder para mudar o nosso destino biológico (genótipo)? Mas, acima de tudo, queremos mudar e estamos (mesmo) dispostos a lutar contra nossos impulsos e necessidades de gratificação instantânea, o prazer acima de tudo?

Este é o cerne da questão, a meu ver. É tão mais fácil (e prazeroso) pensar (e agir) aqui e agora, viver hoje como se não houvesse amanhã… Estou falando dos erros alimentares, dos excessos da mesa e do apelo fácil do sedentarismo. A motivação tem que ser do próprio indivíduo. Mas a orientação básica e o estímulo necessário são tarefas do profissional da área da saúde.

 

A medicina psicossomática estuda a relação mente-corpo, mas ainda engatinha. E, enquanto não soubermos como cada um de nós, com personalidades e temperamentos diferentes pode (através do auto-conhecimento e da solução das suas questões emocionais) evitar o adoecimento físico, continuaremos a prescindir das mesmas orientações gerais: dieta, exercício físico e manter ressonância com os bons pensamentos além das técnicas anti-stress.

Nesse sentido é interessante a matéria divulgada no jornal “O Globo” sobre stress e carga genética (genótipo) versus surgimento de doenças (fenótipo). Vale a pena ser lida!